Desnudando Lilith

Lilith___Nov__Theme_by_Magic_Myth

“Ishet Zenunim Taninsam Amat Lilith Liftoach Kliffot!” 

Esses dias eu acabei sem querer achando pelo facebook uma página chamada “Toda Mulher é Filha de Lilith”, que acabou me fazendo perceber no quanto o erro de conceito sobre essa entidade tem se proliferado pelos que estão começando a estudar recentemente o “lado oculto”. De início eu achei que só os wiccas que vivem no mundo cor de rosa estavam entrando nessa de “Lilith é Deusa Mãe”, mas recentemente, por alguma razão, gente DEMAIS tem vindo me falar dela e alguns até se ofendendo quando falo que ela não é “Deusa Mãe” de nada além de uma miríade de Demônios devoradores.

Como eu não gosto de deixar nada mal explicado, e como eu to mesmo querendo começar uma categoria de “Demonologia” aqui no Blog, nada melhor que dar início a essa sessão falando da Mãe dos Demônios…

Origens Pré – Judaicas

Devemos ter em mente que o conceito de Lilith que possuímos hoje, não é derivado de uma única entidade, mas de vários conceitos antepassados reunidos em um único aspecto. E não, nenhum destes aspectos é bondoso. É fato conhecido que os Hebreus, de onde surgiram as raízes judaicas, sendo um povo nômade, entraram em contato com diversas culturas dos arredores ao longo do Antigo Testamento, destacando aqui o livro de Deutero-Isaías (este derivado em si das escrituras hebraicas). Era ato comum na época, demonizar os Deuses dos povos rivais, e assim “rebaixar” moralmente aquele povo. Muito da Demonologia Judaico-Cristã nasceu desta forma. Mas alguns demônios e entes foram simplesmente misturas de Demônios de outros povos. É um erro ingênuo crer que o Maniqueísmo e a Dualidade Bem x Mal nasceu no Cristianismo!

Dentro destes povos, nos focando neste texto no mito de Lilith, podemos reconhecer algumas fortes influências:

Lilitu: Lilitu vem da raíz semítica LYL, significando “Noturna”, é um adjetivo feminino utilizado na mesopotâmia para se referir a entidades noturnas femininas. As derivações desse adjetivo são “lalu” (“aquela que vaga”) e “lulu” (Lasciva, Luxuriosa). Lilitu era uma entidade que os povos mesopotâmicos se referiam como sendo a rainha dos Lilu (“Succubus” que invadiam os sonhos eróticos dos homens e os roubavam o sêmen a noite para levar a Lilitu, para que ela parisse os Lilins (seus filhos devoradores de homens), estes habitavam nas ruínas e desertos. A versão masculina dos Demônios que invadia os sonhos eróticos de mulheres (os atualmente chamados “Incubus”) eram os Irdu Lili.

Ardat Lili: Era serva de Lilitu. Uma Semi-Deusa pecaminosa e igualmente predadora. Era senhora das doenças e da obscuridade. O prefixo “Ardat” deriva de “Ardatu”, palavra utilizada pra designar as prostitutas e mulheres impuras. Ela era tida como a “Sem Maridos”, tendo os seios incapazes de produzir leite e vagando a noite para “Ceifar os Homens”.

400px-Lamashtu_plaque_9167

Pazuzu envia Lamashtu ao Submundo, talismã utilizado pra proteção de recém nascidos

Lamashtu: Uma entidade semelhante a Lilitu, Lamashtu era filha do Deus dos Céus “Anu” na mitologia mesopotâmica. Ela era irmã, rival e amante de Pazuzu (famoso – mas de forma distorcida – por ser o vilão do Livro/filme “O Exorcista”), o senhor dos quatro ventos e da fertilidade. Pazuzu era tido como o Deus que a expulsava novamente para o Submundo, impedindo que ela atacasse os homens, mulheres grávidas e crianças. Várias orações podem ser encontradas para expulsá-la, bem como vários hinos exaltando sua bestialidade e maldade.

A partir destes Demônios predadores antigos, os Judeus criaram sua própria versão de Lilith.

Lilith no Judaísmo: Na mitologia Judaica, Lilith foi a primeira mulher, criada junto a Adão, mas as referências a ela são muito esparsas. E pontuais. Os Judeus evitam falar nela, que foi a primeira a se rebelar contra YHWH, abandonando seu marido por se recusar a ser submissa a ele, e passando a odiar TODA a criação. A “mulher da noite” foi se refugiar fora do Éden, nas terras do Oeste, onde teria encontrado o Seraphim Caído Samael, “O Veneno de Deus”. Junto a ele, era teria parido 480 Demônios e começado uma saga de ódio a humanidade.

Na Cabala, Lilith corresponde a Qlipha Lunar que contrapõe Yesod, Gamaliel. É a responsável pelos pesadelos,  o útero do Sitra Ahra, cuja emanação sustenta a Árvore da Morte presa em Malkuth.

Lilith na Bíblia: Na bíblia cristã Lilith possui apenas uma referência, em Isaías 34:14; sendo esta:

“E nos seus palácios crescerão espinhos, urtigas e cardos nas suas fortalezas; e será uma habitação de chacais, e sítio para avestruzes.
As feras do deserto se encontrarão com as feras da ilha, e o sátiro clamará ao seu companheiro; e os animais noturnos (Bestas Noturnas = Lilith) ali pousarão, e acharão lugar de repouso para si.
Ali se aninhará a coruja e porá os seus ovos, e tirará os seus filhotes, e os recolherá debaixo da sua sombra; também ali os abutres se ajuntarão uns com os outros.”

507825940_DCYSWPXNSBJEMFN

No Satanismo atualmente, Lilith é aquela que, através de Leviathan (O Dragão Cego) entra em conjunção com Lúcifer-Samael e dá luz as trevas. Ela é o útero do Sitra Ahra e a porta para as Qliphoth. A Mãe Das Aberrações Sinistras que caminham pelo mundo astral e vampirizam, drenam e esfacelam o rebanho de humanos presos no Causal. Na Astrologia Sinistra, ela corresponde a fase Negra da Lua, onde os trabalhos de destruição, infertilidade e luxúria são realizados.

Percebam que não existe, simplesmente não existe nenhum aspecto bondoso nela, sendo uma Deusa Negra Anti-Cósmica responsável por destruir a criação demiurgica.

Ela não é “Deusa Mãe”. Ela não é “Fértil”. Ela não possui filhas, a menos que você dedique sua vida a ser uma Demônio. E principalmente, ela NÂO É FEMINISTA E NÂO ODEIA HOMENS. Ela ODEIA toda criação Demiurgica. Não distorçam Deuses a bel-prazer para tentar justificar suas ideologias mundanas.

Ba Nam I Ahereman.

Azi Dahaka.

ps: Fonte – “Devils and Evil Spirits of Babilonia Vol. I”

Anúncios

31 comentários sobre “Desnudando Lilith

  1. Rafael

    De fato já havia lido, sobre Lilith e outras visão ideológica das mentes simples, mas isso é apenas politica e esse pessoal são apenas massa de manobra e eu não quero melhor o mundo para ninguém a não ser para mim mesmo. Mais ser um Demônio isso é atraente se fomos pensar nós mais fortes. mas eu gosto da citação de Aleister Crowley que ele diz que se cansou do bem e do mau. eu acho que ele está certo.

    Lilith tem rituais para invocar ela eu nunca fiz e talvez nunca faça, e ela também se encontrou com Caim, historia legal só não sei se é verdade.

  2. Shamash

    Ótima postagem!
    Finalmente algo do gênero. Antigamente eu ficava inconformado e passei uns anos não engolindo essa tal de “Deusa amorosa” rs.
    Passei a ignorar de uns anos pra cá.

    Um tempo atrás, li um rapaz pedindo dicas pra homenagear Kali, pois estava na época Dela no calendário Hindu. Aí ele queria junto como chamar Lilith (alguma curiosidade sobre vampirismo).

    Primeiro disse pra não sair misturando, ainda mais sem contexto algum.
    Depois, enviei vários videos do festival de Kali, regado a possessões, fogo e bastante sacrifícios de sangue (tb tinha MUITA comida e flores, mas não se limita a isso rs).

    Nossa sociedade é doente ao ponto de esquecer que a morte faz parte inerente a nossa existência (seja como ilusão ou simples passagem), assim como o ódio, luxúria, revolta, violência e etc, e que as divindades e entidades relacionadas a tal representam e SÃO tais aspectos.

    Ótima postagem. Altamente recomendado, principalmente para os que ainda cismam de que “Lilith te ama” rs
    abs

  3. Existe tanta repercussão sobre as deusas negras, mas as pessoas esquecem que existem deidades mais brandas que também possuem um lado sinistro, por exemplo, Ishtar que era deusa do amor e ao mesmo tempo da guerra ou a romana Diana que matou um homem, só pq ele a viu nua. Não existe preto no branco, no caso de Lilith, Kali e Hécate, elas não são “fadas encantadas”, mas também não é correto associa-las ao “diabo cristão”. No caso de Pazuzu, ao mesmo tempo que ele era senhor da fertilidade e rival de Lamashtu, ele também era responsável por trazer fome nas estações secas e pragas nas estações chuvosas.

  4. inominavelser

    Inomináveis Saudações, Malachi Azi Dahaka.

    Sempre soube do Aspecto Obscuro desta Deusa e é Algo que me atrai. Você esclareceu aqui muitos pontos, mas devo ressaltar que as experiências pessoais com Ela são as mais variadas nos que não são da Wicca, como eu. Não estou atacando seu texto, veja bem, apenas querendo dizer que o Primordial que Ela Representa vai além das interpretações errôneas que a citam como “Deusa da Fertilidade”.

    Para muitos, minha Visão de Lilith também pode estar errada e para outros correta. Na minha opinião, eu nem ligo, de verdade, para quem considera um absurdo ou não o que escrevo há algum tempo sobre Ela, apenas recebo o que o vento me traz e escrevo. Este depoimento aqui, Malachi, eu repito, não é um ataque ao seu texto ou a você, já que eu me identifico completamente com tudo que Lilith É. Nem estou querendo chamar a atenção para mim citando meu trabalho, utilizei um exemplo de minha própria com Ela para explicar meu pensamento.

    Espero que não fique chateado e nem me entenda mal.

  5. Rafael

    A Lilith não faz o meu tipo, a primeira vez que ouvi falar do nome dela foi no supernatural e depois ouvi o nome dela novamente na música do Cradle of Filth ‘Lilith Immaculate’ essa música não é a melhor da banda mais é muito louca, e no supernatural Lilith era do mau e ninguém gostava dela kkkkkkkkkk

  6. Mayumi

    Na verdade Lilith ainda é uma figura muito ambígua, posto que, com o tempo foi permeabilizando em diferentes culturas, muita das vezes sincretizada com Hécate e outras Deusas. Penso que a projeção de “Deusa Mãe” se dá por uma interpretação arquetípica originada principalmente do mito judaico cristão. Muitas pessoas se identificam e se atraem pela mulher que não deixou ser dominada e etc. E isso fica ainda mais latente com o “feminismo” da atualidade. De fato, se nos atermos a etimologia e a origem do mito a partir das escrituras teremos um demônio=espírito. Mas e no que diz respeito aos cultos e as egrégoras?

    1. Saudações senhorita;

      Onde se desenvolveram tais sincretismos, como com Hécate e Kali?

      Sim, essa projeção feminista atual é algo como um “anti-cristianismo” (supostamente, diga-se de passagem) originado do mito judaico de Lilith.

      No tocante as egrégoras relacionadas aos cultos modernos, considero como sendo uma força extremamente fraca. Na verdade uma distorção dos mitos, se você analisar por exemplo a falta de coerencia dos cultos Wiccanos da atualidade e o desenfreado radicalismo feminista que gera nada a não ser estagnação. Muito diferente de um culto baseado em tradição rígida e antiga, com aspectos transcendentais.

      Obrigado pela leitura, senhorita! ^^

  7. Lilith6784

    Ai, tenho tanto nojo de burrice… Ai que coisa cristã e ignorante. Ah, por favor, abra um livro de verdade e estude antes de ir falar lixo sem sentido pro mundo. Idiotas hahaha

    1. Pois é né…

      Além de estudante de teologia, fiz curso de cultura Hebraica junto com o pessoal de história da UFRJ e sou estudante assíduo de mitologia. By the Way, estou longe de ser cristão.

      Não é porque você não concorda com algo que isso é “cristão” e ignorância vem da sua parte – que ao invés de argumentar, tenta vir me ofender. Já expõe o seu nível de intelecto. Quando você parar de latir e aprender a dialogar, será bem vinda pra debater. Até lá, repense a si mesma.

      Abraxas.

    2. Ingrid

      Quero conhecer mais sobre lilith, será que você pode me dizer como achar fatos verdadeiros dela?? Se poder manda no meu face
      Ingrid Santos Costa
      Obrigada

  8. Néftis

    Excelente texto! Há, realmente, uma grande distorção quanto à figura de Lilith, e ainda, pseudo ocultistas que se acham a própria Lilith reencarnada (?!). Infelizmente o grande acesso à informação acaba mais desinformando e deformando do que instruindo. É uma miscelânea de rituais… todos invocando Lilith… pra amor, para fertilidade, para paz do mundo… rsrsrsrsrs.
    Mas o pior é que as tais “filhas de Lilith” ainda se revoltam e querem afirmar que sim, que ela é a sua guia e Deusa Mãe.
    Mas, enfim… quem tem ouvidos que escute, quem tem olhos que veja. Forte abraço!

  9. Henrique

    Olá, gostei da sua forma de explicar sobre a homogeneização de entidades malignas com Deuses, isso eu já havia aprendido a um bom tempo! Ao meu ver Lilith não é maligna ou totalmente destruidora. Há várias versões de suas origens, e quem já meditou com ela, sabe quem ela é! Ela é uma boa entidade, trás consigo a fertilidade e a proteção aos recém-nascidos. Lilith ajudou minha vizinha a ter o filho que ela queria, e ele nasceu saudável, mas também me ajudou a mandar embora um ex-namorado que me perturbava. Ela não é uma criatura obscura. Eu acredito que ela assim como qualquer outra Deusa, se for chamada como uma criatura maligna, irá aparecer como tal, caso contrário, irá vir com sua forma normal e bondosa!

    1. Então…. você reparou na análise histórica, não é? Se pra você é assim, sinta-se livre pra fazer o que quiser. Mas mitologicamente, analisando historicamente o culto a ela, não havia NADA de fertilidade…

  10. Cheryl

    A Wicca não acredita no bem e no mal porque não é dessa forma que a natureza e a vida se mostram. Todo ser, toda criatura, toda forma, toda energia, toda egrégora, todo e cada um d e es tem suas facetas e aspectos. Vejo Lilith como uma mulher de poder, o que de fato
    ela é. Também a vejo como uma figura livre, independente e incontrolável, entre outros aspectos que podem não parecer bons no seu ponto de vista, mas que eu vejo como virtudes.

    1. Repare que o texto apresenta as perspectivas mitológicas dos povos mesopotâmicos pré-judaicos, dos Hebreus, dos cristãos, dos Satanistas e da Cabala.

      Em momento nenhum falei de Wicca. Este é um texto muito mais de cunho HISTÓRICO e de análise MITOLÓGICA que de cunho prático. Portanto, não é de “livre interpretação subjetiva”, mas retrata o papel dessa entidade em cultos antigos, sem visar o contexto neo-pagão de re-interpretação pessoal de coisas mais antigas que nós.

      Não é a “independência e liberdade” que não são “tão bons” a meu ponto de vista. É o fato dela ser originalmente uma DEVORADORA DE BEBÊS! Acho que isso não é nenhum aspecto virtuoso não. rs

      1. do seu texto: “De início eu achei que só os wiccas que vivem no mundo cor de rosa “.
        deve ser ressaltado que isso é mais comum entre diânicos e as religiões da Deusa.
        no mais, seu texto é bem colocado e eu fico contente que existam bruxos como você.

  11. leandro

    nao sei se ela e real ou nao? ,mais intendo que tudo que se revela contra deus e o seu proposito e mal ,mais ha algo que me atrai nela ?por isso estol pesquisando tudo sobre ela ,como eu acabei de ler o seu testo,e estol grato a voce por ter me dado mais conhecimentos, e ter visto pelo o seu ponto de vista e estudo ,continuarei a minha busca ,grato .

  12. LEO TELLES

    Lilith é Néftis , esposa de Seth deus primordial deste mundo , que é chamado de Saturno pelos romanos , Shaitan dos arabes , El dos cananeus e Satan dos cristaos ,é o deus do fogo consumidor que habita o ventre da terra , deus da guerra e da morte ,ironicamente deus dos hebreus ,chamado de YAO que como outros povos erraram ao abolir sua concubina secretária sem a qual nao se pode obter favores de tal deus ,podem chamala de Néftis , Lilith , Aserah que é quem comanda as legioes. Assim o fizeram na reviravolta do patriarcado para retirar a coroa do matriarcado era preciso se apossar da religiao , onde os fundamentos importantes para o mecanismo magico se perderam , convenientemente apagados pelo patriarcado , todos os deuses bons e ruins de hoje sao fragmentos do matriarcado fundado na pré-historia há 15 mil anos atras em povos que estao fora dos registros historicos. Nao se chega a Seth sem Néftis/Lilith como nao se chega a Osiris sem Isis/Iset nem a Jesus sem Maria .

  13. Solaria

    Muita gente na verdade confunde o conceito de Lilith com Ishtar, sendo Lilith as vezes considerada a face “escura” de Ishtar. Ishtar era a deusa da procriação, fertilidade, amor, sexo, etc, e muitas vezes atribuem isso a Lilith por serem consideradas “a mesma pessoa” hoje em dia. Não é muito difícil imaginar como uma deusa da fertilidade, amor e sexo pode se “tornar” uma devoradora de bebês, destruidora de lares e tal. Difícil assumir que realmente são a mesma pessoa, mas pode-se assumir que estão correlacionadas de certa forma.
    O difícil mesmo é lidar com quem descreve Lilith como um ser 100% bom, a maior feminista que você respeita, amor e alegria. Esse texto ao menos esclarece a quem acha que é tudo cor de rosa e que Lilith é amorzinho que não é bem assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s